Limpeza em bairros retira grande quantidade de objetos que servem de criadouro para o mosquito da dengue

Saúde
    08 de fevereiro

A Seção de Controle de Vetores, vinculada à Secretaria de Saúde de Porto Ferreira, traz um balanço das atividades desenvolvidas durante o mês de janeiro em relação às atividades de prevenção e controle das arboviroses em nosso município.

Como já divulgado, nos bairros Porto Belo I e II as ações foram intensificadas devido ao número de 12 casos suspeitos notificados na área, sendo um deles positivo e um caso suspeito de chikungunya.

Por aproximadamente duas semanas, os agentes estiveram nos bairros, visitando os imóveis, retornando por diversas vezes em horários diferenciados, como horário de almoço, após as 17 horas e também aos sábados. E, mesmo assim, não foi possível realizar a vistoria em muitos imóveis. Isso compromete o bom resultado do trabalho desenvolvido.

Toda a equipe esteve envolvida nas ações de controle de criadouros, orientações a população. “Também foi realizada a divulgação das ações em rádio local e levamos informação aos moradores do bairro através do contato direto na sala de espera da unidade de saúde local, com o propósito de atuar na contenção de transmissão de dengue, tentando envolver a população na eliminação dos criadouros para que a aplicação de inseticida fosse efetiva na eliminação dos mosquitos que poderiam estar contaminados com o vírus dengue”, diz Cláudia Beozzo, coordenadora da equipe.

“Contudo, observamos que a cada vez que voltávamos ao local, eram encontrados novamente recipientes descartados nos mesmos locais que havíamos retirado nos dias anteriores”, prossegue.

A quantidade de pneus, peças sanitárias, plásticos, garrafas, material inservível de todo tipo, descartados irregularmente nos terrenos baldios, é imensa, além do lixo doméstico que fica depositado nestes terrenos, causando mau cheiro, atraindo ratos, baratas e escorpiões.

Foram retirados do local:

  • 40 sacos com inservíveis (plásticos, garrafas, latas etc.);
  • 20 vasos e peças sanitárias;
  • 44 pneus;
  • 21 eletrônicos (tvs, computadores etc.).

“Vale lembrar que, infelizmente, esta não é uma situação de exceção. Em nossas atividades diárias vivenciamos esse problema em todos os bairros da cidade, em maior ou menor quantidade, independentemente de classe social ou poder aquisitivo”, diz Cláudia.

“O mosquito está presente em todo lugar, está adaptado para viver entre nós. Afinal, estamos oferecendo berçário, abrigo e alimento a todo momento. Estamos criando um ‘bichinho de estimação’ dentro dos nossos lares. Infelizmente, a população ainda não se conscientizou que dengue é um problema de todos”, concluiu.

Para que as ações tenham resultado, não basta a limpeza e nebulização de veneno feita pelos agentes. É DEVER DE TODOS manter seus quintais e imóveis limpos, livres de objetos que possam acumular água parada, onde o mosquito se reproduz.

Alerta

O crescente número de notificações em 2019 em Porto Ferreira e nos municípios da região mostram que não é dada a devida importância na questão que envolve a responsabilidade individual do cidadão. É preciso mudar isso.

As cidades da região, como Araraquara, Ribeirão Preto, São Carlos atendem pacientes de Porto Ferreira, diariamente. São municípios que já tem números altos de casos confirmados de dengue, principalmente Araraquara, que já sofre com uma epidemia.

O alerta à população é para uso diário de repelente, principalmente quando viajar para outras cidades, mesmo que seja por poucas horas ou para estudar, trabalhar ou realizar tratamento médico. Todo cuidado é pouco. Prevenir ainda é o melhor remédio.

Números atualizados da dente até 07/02:

  • Total notificado: 44.
  • Positivos: 1.
  • Negativos: 4.
  • Aguardando resultados de exames: 39.

Cléber Fabbri – MTb 30.118

Assessoria de Comunicação, Cerimonial e Eventos

clique na foto para ampliar